Compartilhar Em

Mohamed Abdelsalam Abdellatif

Superior General of Human Fraternity
 biografia

Introdução do Juiz Mohamed Abdel Salam

Ilustres participantes!
Paz, misericórdia e bênçãos de Deus
Tenho o prazer de reafirmar, em nome do Alto Comité para a Fraternidade Humana, a importância desta conferência que destaca uma dimensão muito relevante na crise da pandemia de Coronavírus que está a atravessar o mundo, nomeadamente a dimensão humana.
Santidade, o Papa Francisco, juntamente com o Grande Imã, Ahmed Al-Tayyeb, foi pioneiro na necessidade de adoptar um conceito renovado de fraternidade humana, tendo estabelecido um modelo operacional para os seguidores das religiões com rigor, colegialidade e responsabilidade. Ainda me lembro da cena do Papa Francisco e do Imã Al-Tayyeb partilhando um pedaço de pão na mesa do Papa na Casa Santa Marta. Como não me esqueço dos momentos que foram inspirados até à ideia do Documento sobre a Fraternidade Humana, que o mundo acolheu com grande satisfação. Verdadeiramente, o mundo ferido de hoje precisa de partilhar o pão, a fim de se tornar mais pacífico e seguro. Gostaria de agradecer à Comunidade de Sant'Egidio que continuou no caminho do bem desde o encontro de Assis em 1986 até coroar este itinerário com a Carta Encíclica "Fratelli tutti", cuja apresentação tive a honra de assistir, que dará maior inspiração a estes encontros no espírito de Assis. Estou certo de que as iniciativas de diálogo e comunhão entre os líderes religiosos continuarão a ser uma sombra protectora segura. Permitam-me, honrados participantes, ler-vos o discurso do Grande Imã Ahmad Al-Tayyeb, Grande Sheykh de Al-Azhar, que não pôde participar pessoalmente neste evento.

Discurso de Sua Excelência o Grande Imã Ahmad al-Tayyeb, Sheykh de Al-Azhar

Caro Irmão, Papa Francisco, Papa da Igreja Católica
Senhor. Sergio Mattarella, Presidente da República Italiana,
Professor Andrea Riccardi, fundador da Comunidade de Sant'Egidio,
Caro amigo Bartolomeu, Patriarca de Constantinopla
Ilustres participantes,
O mundo está a viver um pesadelo aterrador há quase um ano devido à epidemia de Coronavírus. Nenhum Estado escapou às suas repercussões, nenhum povo escapou, nenhuma economia foi salva dos seus efeitos devastadores, e quanto mais pesadas são as feridas do coração. O que agrava a dolorosa realidade é a visão destes milhões de refugiados, pessoas deslocadas, sem abrigo e vítimas de zonas de conflito. Esta epidemia agravou as suas terríveis condições na ausência dos cuidados de saúde necessários. Da mesma forma, povos inteiros não foram capazes de lidar com a epidemia.
Apesar de todos estes riscos colocados pelo Coronavírus, existe uma outra epidemia antiga que se está a renovar, que pensávamos que desapareceria face a um perigo que ameaçava toda a humanidade, a epidemia da discriminação e do racismo, uma doença que afecta e corrói a consciência humana. Mas, em vez de observarmos o seu desaparecimento, ficámos chocados ao ver novas formas de discriminação devido ao Coronavírus, tanto que ouvimos apelos para abandonar certos grupos de pessoas à sua sorte a fim de oferecer tratamento a outras pessoas como prioridade, ouvimos vozes a pedir que a vacina fosse testada num determinado grupo de pessoas, vozes essas que só atestam a desumanidade por parte daqueles que as pronunciam.
Hoje, esperamos com todo o mundo que os esforços científicos sejam coroados de sucesso na procura de um remédio que nos salve deste pesadelo que está prestes a completar um ano após o seu aparecimento, enquanto continua a matar a humanidade.
Gostaria de reafirmar que o remédio para o ódio humano e o racismo é aquele antídoto que brota do coração das experiências amargas que vivemos e que experimenta aquele que é dotado de uma consciência viva. Este antídoto é a fraternidade humana, na qual vejo uma imunidade sólida capaz de lidar com epidemias intelectuais e morais.
O conceito de fraternidade humana não significa que nos contentamos em aceitar o outro, mas sim que lutamos pelo seu bem e a sua segurança, que nos recusamos a discriminá-lo devido a qualquer diferença, e que não nos poupamos a esforços para difundir estes elevados princípios entre as pessoas.
Ilustres participantes,
A nova ordem mundial promoveu o conceito de globalização e prometeu-nos que traria ao mundo inteiro os valores da liberdade, justiça e igualdade, que são valores humanos verdadeiramente maravilhosos. Contudo, depressa descobrimos, infelizmente, que estes nobres valores levaram à exploração desumana da humanidade com a exclusão dos diferentes, a imposição de um único modelo cultural, a eliminação das identidades, a reivindicação do direito à protecção dos povos, a reivindicação da existência de um único modelo cultural adequado à humanidade, enquanto modelos diferentes se tornariam uma relíquia da história. A globalização caiu assim no equívoco e na contradição entre as proclamações e a realidade das pessoas, trazendo ainda mais consequências malvadas das épocas mais escuras. Vimos estes valores caírem quando o mundo preferiu ignorar povos inteiros forçados ao êxodo e a morrer à fome, como é o caso dos Rohingya que foram abandonados à sua sorte no mar alto.
O advento do Coronavírus anunciou ao mundo a morte da globalização que tinha dividido o mundo, separado seres humanos, afastado a moral e os valores, marginalizado a religião. Hoje chegou o momento de adoptarmos uma nova globalização, baseada na fraternidade humana, que promova a igualdade de todos os seres humanos em termos de direitos e deveres, que enraíze a coexistência social e esteja empenhada no respeito pelas especificidades e identidades religiosas e culturais, que detenha a corrida aos armamentos e redireccione as centenas e milhares de biliões gastos em armamento para a educação, cuidados de saúde e investigação científica. Então, e só então, seremos capazes de fazer face a catástrofes e epidemias e ser mais fortes face a várias crises.
Face a esta crise sufocante temos, como sábios e religiosos pertencentes às várias religiões, o importante papel de fazer regressar as pessoas à religião e à sua mensagem autêntica que eleva os valores humanos, que têm sido marginalizados e abusados e frequentemente acusados de serem a causa do terrorismo e do extremismo, e depois do ateísmo e das filosofias mundanas e materiais terem conseguido obscurecer o que as mensagens celestiais implicam, nomeadamente o bem, o amor, a paz.
Deixem-me comentar aqui o horrendo assassinato em Paris.
Na minha qualidade de al-Azhar sheykh declaro perante Deus Todo-Poderoso que dissocio a minha pessoa e os preceitos da religião islâmica e os ensinamentos do Profeta Maomé - sobre ele a paz e a bênção de Deus - deste acto criminoso pecaminoso e de todos aqueles que perseguem esta ideologia perversa e falsa. Ao mesmo tempo, confirmo que insultar religiões e abusar de símbolos sagrados sob o slogan da liberdade de expressão é uma forma de ambiguidade intelectual e um apelo explícito à imoralidade. Este terrorista e o seu povo não representam a religião de Maomé - sobre ele a paz e a bênção de Deus - tal como o terrorista neozelandês que matou os muçulmanos na mesquita não representa a religião de Jesus, a paz esteja com ele.
Permitam-me expressar uma vez mais a minha estima pelo Papa Francisco, Papa da Igreja Católica, pela sua importante encíclica Fratelli Tutti, que ofereceu um diagnóstico muito preciso da realidade do mundo e das suas doenças, e fê-lo de diferentes pontos de vista e de diferentes maneiras, com este corajoso conceito humano, que ajuda os amantes do bem e da paz a formar uma noção completa dos sofrimentos da "fraternidade humana" e das expectativas de a alcançar.
Caro público!
Saremos juntos as feridas da humanidade, e redescubramos os valores da misericórdia, justiça e tolerância... Tragamos de volta às pessoas o sorriso dilacerado por guerras e conflitos... Talvez estes sonhos sejam ambiciosos, mas a sua realização não é difícil para o Deus Altíssimo, se acreditarmos Nele e na fraternidade humana, para a qual fomos chamados, e na necessidade de o semear nas almas das nossas sociedades e das gerações futuras.

Agradeço aos amigos de Sant'Egidio por organizarem esta reunião excepcional e importante.
Que a paz de Deus, a sua misericórdia e as suas bênçãos estejam convosco.